A arte de perguntar

março 27, 2015 § Deixe um comentário

Interesante proposta da HBR, sugerindo que reaprendamos a arte de formular perguntas. Uma pesquisa da Universidade de Harvard levantou que 70-80% dos diálogos das crianças com outras pessoas é baseado em perguntas, enquanto cerca de 15-25% das interações dos próprios adultos envolvem perguntar ou questionar algo.

A razão é que durante nosso crescimento e até mesmo depois de adultos, as chances de recebermos maior reconhecimento ou recompensa se baseia em dar a “resposta correta”.

Bom, se há algo que aprendi nesses anos de estudo de metodologias e métodos educacionais é que em educação (como na vida) não há gabarito com a resposta certa. O que há são possibilidades e caminhos, daí a necessidade de se ter indicadores objetivos que permitam checarmos se o caminho escolhido está dando certo.

De qualquer forma, o argumento é que ao tentarmos “pular” diretamente para a resposta quando precisamos “fazer logo” algo (ou as suas variações corporativas “é para agora” ou “é para ontem”) e menosprezamos perguntar mais, o nosso processo de decisão se “empobrece”. Se “empobrece” porque ao perguntarmos mais e melhor, conseguimos ter uma perspectiva ampla da situação e chegamos a conclusões melhores. O resultado é que desta forma, é possível evitar um monte de retrabalho depois.

Harvard sugere 4 tipos de perguntas: “Clarificadora” (clarifying), “Exploratória” (adjoining), “Afuniladora (funneling) e “Elevadora” (elevating). Cada uma destinada a atingir um resultado específico. Vamos a elas:

Questões Clarificadoras: nos ajudam a entender melhor o que foi dito. Fazê-las auxilia a perceber o real motivo de algo ou a entender melhor o outro. São exemplos perguntas como “pode falar mais a respeito?” ou “por que você está falando isto?”.  As pessoas geralmente não as fazem, porque temos a tendência de fazer suposições e completar as “partes faltantes” com o que achamos pessoalmente.

Questões Exploratórias: como o nome diz, são usadas para explorar aspectos relacionados à questão que são ignorados na conversa. As perguntas “como esse conceito se aplica em um contexto diferente?” e “quais são os usos que essa tecnologia pode ser aplicada?” são exemplos desta categoria. As perguntas exploratórias nos ajudam a ganhar um entendimento amplo a respeito de algo.

 Questões Afuniladoras: nos ajudam a aprofundar algo. Esse tipo de pergunta é utilizada para entender a origem da questão, as raízes do problema. São exemplos perguntas como “por que esse passo foi incluído?” e “como essa análise foi feita?”.

Questões Elevadoras: nos ajudam a entender o todo (ou como se diz em inglês “see the bigger picture”). Mergulhar imediatamente em um problema dificulta enxergar o contexto global dele. Podemos perguntar algo como “dando um passo atrás, quais são os maiores problemas?” ou “será que estamos focando na questão certa?”. Esse tipo de questionamento nos ajuda a conectar melhor problemas específicos.

Que tal perguntar mais?

W150324_POHLMANN_FOURTYPES

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento A arte de perguntar no Marcelo Tibau.

Meta

%d blogueiros gostam disto: