Translearning (parte 2)

junho 5, 2011 § 1 comentário

PARA IMPLEMENTAR      

O que deve ser feito na hora de implementar o translearning é evitar o efeito “muda-tarefa” na aprendizagem. Para isto, utilizar a força do aprendizado informal no ambiente formal é essencial.

Como vem sendo estudado e discutido em diversos locais, não há um único jeito de se fazer. O que vale é adaptar as melhores práticas a sua realidade.

Foi o que fizemos. O processo abaixo leva em consideração inúmeros outros processos, inclusive o de desenvolvimento de comic books. O que é preciso levar em consideração aqui são as etapas propostas.

Idéia / conceito /propósito: é o momento em que a idéia do projeto é concebida (o que será usado como trama para linkar os assuntos). É aqui que também deve ser feita a definição do propósito do aprendizado.

Planejamento mídia / aprendizado: aqui é a hora de fazer a definição da forma, das mídias que serão usadas e a timeline.

Estruturação (story crafting) e criação da narrativa (storytelling): este é um momento importante, é onde se faz a estrutura e desenvolvimento da história que será utilizada para passar o conteúdo necessário.

Desenvolvimento (materiais de aprendizado): hora de colocar a mão na massa e fazer o desenvolvimento da história nas midias definidas. A integração na plataforma educacional é feita neste momento, mas testes devem começar bem antes (a sugestão é já no planejamento mídia/aprendizado) para evitar surpresas desagradáveis de incompatibilidade.

Intructional Scaffolding: é literalmente construir um andaime, uma estrutura de suporte ao aprendizado para dar sustentação à implementação (tipo chat, fórum de discussão, etc.).

FECHANDO O PAPO        

Quando algo novo aparece, em um primeiro momento fica difícil imaginar acontecendo. Quando algo muito, muito novo aparece, essa incerteza é dobrada. É nesse estágio que o translearning está hoje.

Mas uma coisa é possível afirmar: o aprendizado baseado na construção do conhecimento vai substituir o simples repasse de conhecimento. Isto, na minha visão, é um fato e explico o motivo.

A forma de se relacionar, pesquisar, interagir com o conhecimento mudou. É muito mais colaborativo. Basta ver o sucesso de redes sociais e wikis. Isso não vai parar e uma hora ou outra, vamos ter que repensar a maneira como “ensinamos”.

A maneira de aprender está mudando e quando ela efetivamente mudar, quem deixar para pensar no assunto só aí, vai estar muito, mas muito atrás em termos de geração de produtividade, propriedade intelectual e lucratividade. Lembre-se que estamos na idade do conhecimento e esse não é só um termo para livro de história.

Anúncios

§ Uma Resposta para Translearning (parte 2)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Translearning (parte 2) no Marcelo Tibau.

Meta

%d blogueiros gostam disto: