O futuro da indústria tech

novembro 10, 2016 § Deixe um comentário

digitalchalk.jpg

A indústria da tecnologia defendeu por anos o argumento de que para se ter uma economia baseada na inovação, era preciso que se estimulasse a educação, o conhecimento aplicado à propriedade intelectual e o multiculturalismo. Isto impactou diretamente em políticas públicas e legislação de diversos países em relação à organização e às metodologias de seu sistema educacional, proteção à propriedade intelectual e estímulo ao desenvolvimento de pesquisas científicas (que geram propriedade intelectual) e em políticas de imigração (em especial as ligadas à concessão de visto de trabalho para os chamados skilled workers).

Os EUA, como uma das grandes forças impulsionadoras da indústria tech, sempre foram vistos como determinante para a definição das posturas deste mercado no mundo todo. É natural então, que uma presidência Trump – potencializada pelo Brexit – não podemos esquecer que o Reino Unido é o segundo produtor mundial de propriedade intelectual, atrás apenas dos EUA, leve a uma reavaliação estratégica da área em relação as suas políticas. Já começaram a circular e-mails pelo Vale do Silício, propondo o reposicionamento para a defesa do corte de impostos para a área e o comprometimento em relação à repatriação de divisas.

Entendo a postura e reconheço a necessidade de reposicionamento – em especial se levarmos em consideração que Trump declarou em campanha que iria iniciar uma ação antitruste contra a Amazon e prometeu forçar a Apple a fabricar seus produtos nos EUA. Mas um dos argumentos mais poderosos das empresas de tecnologia em relação à sua própria importância, sempre foi o fato de que suas metas não eram apenas financeiras, mas abarcavam a construção de um futuro progressista. Sim, queriam dinheiro, mas também queriam construir um mundo melhor em termos filosóficos e democráticos – protegiam a educação e o conhecimento como modo de empoderar as pessoas e estimulá-las a quererem se tornar mais inteligentes e cultas. A lógica era que pessoas mais inteligentes tinham mais possibilidades de inovar.

Thomas Friedman – o autor do livro “O Mundo é Plano”, que propiciou muita da base conceitual para os argumentos defendidos pela indústria tech – escreveu sobre o resultado das eleições americanas, no texto intitulado “Homeless in America”, que o chamado “aprendizado para a vida toda” (no original lifelong learning) poderia ser uma fonte inesgotável de stress para algumas pessoas.

O risco que esta visão de mundo coloca é: se o aprendizado pode fazer mais mal do que bem e se algumas pessoas, não apenas o rejeitam, mas agem conscientemente para impedir a formação de um ambiente que estimule o desenvolvimento da sua fonte (o conhecimento), por que priorizar a educação?

40% das pesquisas científicas realizadas pelo Reino Unido eram financiadas pela União Europeia (rejeitada pela maioria dos britânicos). Facebook e Twitter têm sido apontados como causadores do declínio do jornalismo e da irrelevância dos fatos (e de quebra contribuído para a expansão do trolling, racismo e misoginia que caracterizaram a campanha do agora presidente Trump). O crescimento de um sentimento anti-tech pode, de verdade, mudar a direção que as políticas educacionais vinham tomando nos países desenvolvidos (que queira ou não, dão o tom para o restante do mundo).

O efeito colateral pode ser a criação de uma elite intelectual tecnológica – porque a indústria continuará e precisará de pessoas que tenham a habilidade de criar propriedade intelectual. Mas, talvez o sonho de democratizar esta habilidade tenha acabado.

Anúncios

Marcado:, , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento O futuro da indústria tech no Marcelo Tibau.

Meta

%d blogueiros gostam disto: