“Matadores” de criatividade

abril 15, 2015 § Deixe um comentário

Ao contrário do que imaginamos, alguns hábitos estimulados por “especialistas” podem causar mais mal para a criatividade do que bem. Por exemplo:

Pensar “fora da caixa”

Ron A. Beghetto, um dos criadores do modelo 4Cs da Criatividade, diz que pessoalmente tem “grande dificuldade em pensar fora da caixa, porque na verdade o que é preciso é pensar criativamente dentro de várias caixas”. Slogans populares como “liberte sua mente” ou “elimine todas as restrições” podem soar liberadores, mas no fundo são irreais ou mesmo errados. Segundo Beghetto, parâmetros são um contrabalanço importante e necessário para a originalidade. Ele conduziu um estudo em que pedia aos participantes para “inventarem” um novo esporte. As melhores ideias vieram daqueles que se basearam em esportes já existentes e não dos que usaram ideias menos familiares, embora originais. Beghetto gosta de dar como exemplo a improvisação no jazz, que é uma expressão criativa criada com base em padrões determinados.

Limitar as escolhas

Em alguns contextos, limitar a escolha pode melhorar a criatividade (afinal, MacGyver construía bombas com chiclete), mas definitivamente não é o caso no aprendizado. Limitar a liberdade intelectual limita o resultado intelectual. É preciso dar mais possibilidades e caminhos quando a história é estimular o aprendizado. Afinal, em educação, como na vida, não existe gabarito com a resposta certa. O que existe são caminhos, opções. Por isso, ter indicadores é importante para saber se o caminho escolhido está dando resultado, assim como ter flexibilidade, para mudar a rota quando for o caso.

Repetição de assuntos é “decoreba”

“O conteúdo é o combustível para futuras ideias criativas” diz a Dra. Helen Abadzi, especialista em educação do Banco Mundial. Para construir a habilidade de leitura, matemática e raciocínio é preciso exercitar a habilidade de recuperar e usar o conhecimento para gerar ideias em velocidade suficiente para alcançar altos níveis de complexidade (é o que chamo de conexão do conhecimento). Isto requer prática, por isso não é perda de tempo fazer exercícios repetidamente até diminuir a operação mental para realizá-los (ou como diziam os mais antigos, “até automatizar”).

Lotar a agenda para aproveitar melhor o tempo

Também conhecida pelo nome em inglês, over-scheduling, a prática de “aproveitamento” do tempo marcando várias atividades próximas umas das outras é um dos grandes inimigos da criatividade. Atividades mais prosaicas e relaxantes como “dar uma caminhada” estimulam o pensamento criativo. É aquela história, se você não tem tempo para uma “volta no quarteirão”, não terá tempo para ser criativo (ou inovador). Criatividade também precisa de tempo e espaço para florescer.

Anúncios

Marcado:, , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento “Matadores” de criatividade no Marcelo Tibau.

Meta

%d blogueiros gostam disto: