Esquentando os motores

janeiro 6, 2016 § 1 comentário

large_startyourengines.png

Com 2016 prometendo ser um ano “agitado” (novo ministro da fazenda, olimpíadas no Rio, eleições municipais…), nada melhor do que focar em que é realmente importante: como atuar em uma sociedade que tende, cada vez mais, ser baseada no conhecimento. Embora esta não seja uma preocupação prioritária da nossa sociedade brasileira (pelo menos com base no que vejo por aí – mas posso estar enganado), creio ser essencial que cada um, por conta própria, comece a olhar essa realidade com mais atenção. Gosto de lembrar que só pegamos o “bonde” da revolução industrial na sua terceira etapa, em pleno século XX (só para efeito de comparação, a primeira etapa se deu no século XVIII – quem quiser relembrar, um resumo da Wikipedia), temos a chance de não repetir o mesmo padrão neste momento de mudança de uma sociedade industrial (a mesma gerada pela citada “revolução”) para uma sociedade baseada no conhecimento.

Voltando ao foco principal, nada melhor do que conhecer o que tem sido feito por pessoas que já estão atuando nesta nova realidade. Portanto, como “resolução de ano novo”, pretendo apresentar alguns casos que possam servir como exemplo prático e inspirar ações com o mesmo propósito. O primeiro deles a seguir:

Katie Feather, uma inglesa que dá aulas na Escola Internacional das Nações Unidas (conhecida pela sigla UNIS) – instituição fundada pelas famílias de funcionários da ONU – em Nova York, percebeu o potencial para melhorar a comunicação, os recursos didáticos e o aprendizado de seus alunos utilizando a LMS (Learning Management System ou Sistema de Gestão da Aprendizagem) disponibilizada pela escola. Aqui vale um “parêntesis”, a UNIS vem desenvolvendo uma iniciativa pedagógica baseada em blended learning, que une estratégias instrucionais presenciais e online. Vale a pena conhecer um pouco mais o programa (disponibilizo o link AQUI), chamo a atenção para uma das disciplinas ensinadas, “Teoria do Conhecimento”, que tem como objetivo estimular o entendimento e o contato com os diversos “pontos de entrada” do conhecimento (percepção sensorial, razão, emoção, fé, imaginação, intuição, memória, linguagem, dentre outros) e dar um embasamento teórico aos estudantes que os ajudem a “navegar” por estes “pontos”. Nada mais apropriado para estes tempos contemporâneos.

Katie ensina biologia e com a ajuda da própria escola, que promoveu uma conferência durante as férias escolares, em que os professores debateram estratégias instrucionais conjuntas, começou a dar mais enfoque ao design visual de suas aulas e a procurar interfaces que proporcionassem mais interatividade aos alunos para utilizarem os conteúdos passados em aula. Uma destas interfaces foi a Visme, uma ferramenta online para criação de apresentações e infográficos. Um dos infográficos criados, trazia as atividades de aprendizado e avaliação dos estudantes, integrados com os documentos e materiais que deveriam ser utilizados (Katie gentilmente disponibilizou um pequeno vídeo mostrando o material e um screenshot dele).

São pequenas iniciativas que promovem grandes mudanças. Para começarmos a atuar em uma sociedade do conhecimento não é preciso esperar uma emenda constitucional ou uma legislação específica, basta começar a modificar a sua percepção em relação ao que é conhecimento e como se adquire. No mais, ele está por aí, literalmente a um clique de distância.

Anúncios

Marcado:, , , , , ,

§ Uma Resposta para Esquentando os motores

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Esquentando os motores no Marcelo Tibau.

Meta

%d blogueiros gostam disto: