Educação no ar – parte 3

maio 20, 2015 § 1 comentário

3. Empowerment

É preciso, em português claro, empoderar. Dar poder às pessoas para que possam realizar suas ambições e experiências. Talvez, essa seja a atitude mais difícil de se aplicar quando “falamos” em educação. Há muita amarra, burocrática e mental, quando se faz qualquer proposta educacional que envolva colocar a responsabilidade nas mãos dos agentes finais, professores e aprendizes. No entanto, é o primeiro passo a se dar no caminho de uma mudança no sistema educacional de qualquer país.

A primeira amarra discutida durante o evento, foi a relacionada ao empoderamento dos alunos. A Google tem um projeto em parceria com diversas escolas espalhadas pelos EUA, Canadá e Reino Unido, que envolve a mudança do conceito de “sala de aula”, inclusive como espaço físico, por meio do uso da tecnologia. A empresa distribui chromebooks (que é a nova geração de notebooks) e tablets para professores e alunos e banca a reforma física da sala de aula. Saem carteiras e lousas e entram mesas compartilhadas, pufes, conexão wi-fi e os equipamentos. Os professores e alunos participantes tem a responsabilidade de cuidar do espaço e dos equipamentos e implementar um método de ensino e aprendizado que envolve “tangibilizar” o assunto estudado. Por exemplo, para estudar o funcionamento dos vulcões, é preciso pesquisar imagens, vídeos ou sites que mostrem vulcões em atividade e como eles funcionam. O aprendizado no caso, está literalmente na mão dos alunos, responsáveis em localizar essas informações. O professor atua como facilitador e participante do processo ao promover as discussões sobre o tema e o direcionamento das atividades, utilizando seu conhecimento de formação.

Um dos primeiros bloqueios que a Google encontrou foi contra a ideia de colocar equipamentos eletrônicos nas mãos da garotada, em horário de aula. Imaginando os diálogos que teriam de travar, se tal projeto fosse proposto aqui no Brasil, certamente chegaríamos a algo parecido com: “eles vão usar o tablet para acessar o youtube para ver o clip do Mr. Catra”. Com certeza vão, mas também usarão o youtube para ver o vídeo a respeito de sintaxe da língua portuguesa, recomendado pelo professor. Ou então, “vão acessar o Facebook para fofocar”. Novamente, tenho certeza que vão, mas também acessarão o Facebook para compartilhar o link de um assunto referente à matéria vista. A verdade é que as duas coisas aconteceriam (o estudo e o entretenimento), mas o fato de uma acontecer não inviabiliza que a outra aconteça também e não é justificativa para que se negue a implementação de um projeto-piloto do tipo. A Google conseguiu “vencer” essa resistência inicial e tem cases para mostrar.

A segunda amarra é em relação à iniciativa dos professores. Muitos tem boas ideias e vontade de as colocar em prática, mas são sistematicamente “sabotados” por instituições, governos e outros envolvidos (inclusive professores e pais de alunos). Um caso que me chamou bastante atenção foi da professora Esther, de uma escola em Palo Alto, na Califórnia. Em 1984, Esther se “apaixonou” por um computador da Apple e o queria utilizar para dar um “gás” em suas aulas. Mas, o preço do equipamento estava muito acima das suas disponibilidades (US$5.000 na época, segundo ela, era dinheiro que não acabava mais). A primeira porta que ela “bateu” para tentar levantar o equipamento foi na secretaria de educação da Califórnia. Chegando lá, foi sonoramente ignorada, aula, segundo os burocratas da secretaria, tinha que ser dada com livros e apostilas. A segunda porta, foi a da própria Apple. A empresa enviou gratuitamente 10 computadores para a escola. Esther, que nunca tinha tocado em um computador antes, foi auxiliada pelos próprios alunos e começou a dar suas aulas usando os equipamentos. De 1984 até meados dos anos 2000, suas aulas foram tão populares que ela se tornou diretora do colégio. Nesse período, foi constantemente assediada pelos “district inspectors”, espécie de fiscais da secretaria de educação, para que encerrasse suas aulas por computador (novamente, tinha que usar livros e apostilas). Somente em 2005, o governo da Califórnia autorizou que fossem usados computadores para aulas de qualquer matéria nas escolas do estado (mais de 20 anos depois de Esther ter começado as suas). Isto aconteceu em um estado que é o “celeiro tecnológico” do mundo, imagine em locais com menos tradição tecnológica?

Isso prova que pessoas são sempre mais ágeis do que instituições e governos. Portanto, tem que ser colocada em suas mãos a capacidade de implementar uma nova prática educacional, sem burocracia, mas com indicadores claros de avaliação (afinal, é preciso saber se está dando certo). Ao conhecer o caso contado pela Esther, veio imediatamente na minha mente um trecho da canção “Civil War”, da banda Guns n Roses: “você não pode confiar na liberdade, quando ela não está em suas mãos”. Nada mais verdadeiro.

Quem quiser assistir aos vídeos das conferências e sessões que ocorreram durante o “Education on air”, basta clicar AQUI. A Google as disponibilizou On Demand. Espero que tenham para vocês um impacto semelhante ao que tiveram para mim, apesar do meu final de semana ter começado apenas no sábado, às 22h30 (esse negócio de fuso horário é brabo).

Anúncios

Marcado:, , ,

§ Uma Resposta para Educação no ar – parte 3

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Educação no ar – parte 3 no Marcelo Tibau.

Meta

%d blogueiros gostam disto: